Home RSS

sábado, 12 de maio de 2018

Design Inteligente no filme "Ring of Fire"

Num filme relativamente recente, de 2013, intitulado "Ring of Fire" (Anel de Fogo), há uma cena que fala sobre o Design Inteligente. Veja o excerto do filme:



Ring of Fire Movie
A história é sobre uma empresa que quer explorar petróleo a grandes profundidades. Mas aquilo que pensam que é petróleo é afinal magma, e as perfurações até à câmara magmática provocam uma erupção que leva a uma reação em cadeia com erupções à escala global. A situação é dramática pois são ativados os vulcões ao longo do chamado "Anel de Fogo" no Oceano Pacifico colocando em risco a vida no planeta Terra.

A cena em causa é um diálogo entre o cientista geólogo e a sua inteligente assistente que é apologista do Design Inteligente. Estamos acostumados a ver o Design Inteligente ser abordado no cinema ou na televisão de uma forma negativa. Mas é curioso que desta vez o realizador coloca a apologista do Design Inteligente na pele de uma assistente altamente qualificada chamada Audrey. Ela é retratada como uma assistente muito competente na qual o cientista responsável por "salvar os destinos do mundo" deposita inteira confiança para desenvolver o seu trabalho de investigação.

Será que o realizador também nutre alguma simpatia pelo Design Inteligente? Será que algo está a mudar na forma como o mundo olha para o Design Inteligente? Começa já a ser vista por alguns sectores da sociedade como uma visão alternativa às teorias predominantes que ainda explicam a vida com base no acaso e em coincidências?

O diálogo:

Geólogo: Estas duas anomalias, embora invulgares, não são inéditas. estou apenas com dificuldades em estabelecer uma ligação.

Audrey: Não acredito em coincidências.

Geólogo: Pois, mas a vida é uma coincidência, portanto…

Audrey: Ora não acreditas nisso. Achas que isto não passa de um grande acidente?

Geólogo: Sabes que mais? Quando houver menos pessoas idiotas no planeta, pensarei melhor na tua teoria sobre o Plano Inteligente.

Audrey: Inteligente ou não, tem de haver algum plano.

Geólogo: Porquê?

Audrey: Não estou a dizer que não fazemos escolhas. Basta olhares para mim. Mas porque faço essas escolhas? Porque foi tudo definido por algo ou alguém, para lá do nosso controlo.

Geólogo: E o que dizes de todas as pessoas que têm azar na vida? Quem decide isso?

Audrey: Esse é o mistério, doutor. Esse tem sido o enigma desde que começámos a caminhar direitos.

Geólogo: Temos de pedir mais sensores ao USGS e monitorizar mais de perto qualquer atividade nova.

Audrey: És mesmo divertido.

Geólogo: Faz isso.

Um comentário:

  1. Guilherme Silveira14 de maio de 2018 16:44

    Já é um passo, mas ainda é a assistente... Quando em um filme como esse for o cientista principal a defender o D.I., aí sim saberemos que a sociedade já evoluiu para uma visão mais aberta, que admite todas as hipóteses para a origem da vida sem complexos nem preconceitos.

    ResponderExcluir





A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução