Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
terça-feira, 25 de setembro de 2007

A Igreja Católica e o Darwinismo

Recentemente, Fr. Martin Hilbert, do Oratorio de Toronto, escreveu uma perspectiva excelente no Touchstone Magazine que descreve os detalhes de como e de porquê a igreja Catolica começou a distanciar-se do Darwinismo. A exposição clara de Hilbert é indispensavel para quem quiser compreender porque a igreja Catolica começou a tornar claro que não apoia a evolução Darwinista, a única cujo ensino é permitido nas escolas. Por décadas, os opinadores defenderam piamente que a igreja Catolica tem aceitado desde há muito tempo uma visão do mundo evolucionista, mas - feita desta forma, sem qualificação - tal frase é um engano ou um representação errada da realidade.

Fr. Hilbert escreve:

Não faz nenhuma diferença óbvia para a nossa salvação se a geometria de nosso universo é Euclidiana, se mecânica quântica é o último grito na física atômica, ou se o Big Bang é o modelo correto para o desenvolvimento do universo. Estas teorias testemunham o poder do intelecto humano, mas poucos dirão que elas assentam em questões de fé ou moral.

A Teoria da Evolução, por outro lado, diz algo sobre a origem do homem, e desta forma pode, pelo menos em teoria, entrar em conflito com o dogma religioso. E assim, embora a igreja Católica raramente fale sobre teorias científicas, de tempos a tempos quebra o silêncio para tratar da questão da evolução biológica. Faz isso, quando percebe que alguns Catolicos aceitam como verdadeira uma teoria científica que nega alguns dos ensinamentos cristãos importantes sobre o homem e as suas origens.

O Darwinismo tornou-se tão só um relato de criação alternativo. Tanto a teoria classica como a melhorada síntese neo-Darwinista (que inclui genetica, estatistica, e biologia molecular) reivindicam que um design aparente pode resultar de forças cegas. Embora alguns Darwinistas e neo-Darwinistas possam protestar que seu esquema não bane Deus do retrato, a maior parte deles são, quer o saibam quer não, materialistas crassos.

Ambos (a distinção não faz diferença a este altura) defendem uma explicação materialista para as realidades que os cristãos conhecem como a criação e a queda. Supõem que a inteligência humana, a vontade, e mesmo o moralidade possam ser inteiramente explicados em termos de causas materiais. A sua teoria fornece sua própria explicação do porquê do homem ser violento e ganancioso, e entende a morte como parte do processo que nos criou.

A igreja não finge dar respostas científicas às perguntas biológicas. Mas indica que algumas reivindicações dos Darwinistas são mera metafisica materialista que finge ser ciência, porque sabe que fosse manter o silencio em uma verdade- a natureza do homem- que lhe foi confiada por Deus, e a verdade cedo desapareceria, apenas para ser substituída pelos dogmas sempre em mudança de uma ciência materialista.

Mesmo assim, a igreja Catolica tem poupado surpeendentemente se pronunciar sobre o assunto, dado que a teoria de Darwin foi usada para sustentar algumas visões do mundo bem desastrosas, tais como o Nazismo e o comunismo. A igreja nunca esteve muito confortável com a teoria, mas, talvez por temer a imprensa má do tipo da que se levantou de sua condenação de Galileo, preferiu geralmente tratar com os teólogos entusiásticos da evolução de forma mais discreta do que por intervenções magisteriais.

[...]

Recentemente o tópico da evolução e da igreja tornou-se válido outra vez para ser noticiado. Primeiro, Benedicto XVI escolheu mencionar a evolução na homilia de sua missa inaugural como papa: “Somente quando nós nos encontrarmos com o Deus vivo em Cristo nós sabemos o que a vida é. Nós não somos algum produto ocasional e sem sentido da evolução. Cada um de nós é o resultado de um pensamento do Deus. Cada um de nós é querido, cada um de nós é amado, cada um de nós é necessário.”

Era como se o papa estivesse respondendo diretamente a um dogma Darwinista colocado claramente no extensamente lido "Meaning of Evolution": “O homem é o resultado de um processo ocasional e natural que não o tinha em mente.” Que o novo papa fosse obrigado a mencionar a teoria num contexto tão importante mostra que ele pensa que ela pode-se considerar ter uma influência tremenda (e perniciosa) na compreensão que o homem tem dele próprio e de sua relação com Deus.

[...]


O Darwinismo e o Pecado Original:

O Darwinismo elimina não somente uma alma imaterial, ele vem também com seu próprio relato sobre o pecado original. A morte, na visão neo-Darwinista, não é o resultado da inveja do diabo e de escolha humana, tal como as Escrituras ensinam. É, antes, uma força impessoal, potente, força creativa que se combinou com as mutações ao acaso para fazer de nós o que somos.

[...]

Se o Darwinismo for aceite como verdadeiro, nós não teremos escolha senão aceitar que a compreensão Cristã do homem criado e caído é apenas uma fábula, um mito que pretende atribuir um acção pessoal a um universo que não tem nenhuma. E se a natureza do homem for uma fábula, assim também será a Encarnação.

[...]

O Darwinismo destroi a história da criação e da queda de uma só vez. A economia da explicação Darwinista é ela própria um argumento poderoso em favor da teoria. E não se deve menosprezar a atração do Darwinismo como uma desculpa para desconsiderar Deus e o pecado do mundo.

Tais considerações fazem o Darwinismo atrativo aos ateus e agnosticos. Os cristãos, entretanto, devem saber mais do que simplesmente desejar afastar o pecado negando a sua realidade. O Catequismo refere-se ao pecado original como uma "verdade essencial da fé,” e para Catolicos, a censura de Pius XII do polygenismo parece reter sua força. O terceiro capítulo do Genesis não necessita ser lido num sentido literalista ingénuo, mas qualquer leitura séria do texto deve reconhecer que nossos primeiros pais, quando e onde quer que tenham vivido, escolheram voltar-se contra Deus, e conseqüentemente sujeitaram-se ao pecado e à morte.

As citações em azul acima são de "Divisões de Darwin", por Martin Hilbert
(Martin Hilbert é padre da "Oratory of St. Philip Neri in Toronto". É doutorado em história e filosofia da ciência pela Universidade de Toronto e ensina filosofia da ciência no Seminário de St. Philip)


_______

"Descobrindo o Design na natureza"

Vários meses depois daquela homilia citada acima, Christoph Cardinal Schoenborn, um próximo associado do Papa, reiterou aquele ponto no "The New York Times":

"A evolução no sentido do antepassado comum pode ser verdadeira, mas a evolução no sentido neo-Darwinista - um processo não guiado, não planeado de variação aleatória e seleção natural - não é. Qualquer sistema de pensamento que negue ou que procure afastar a explicação da evidência esmagadora do design na biologia é uma ideologia, não é ciência."
Finding Design in Nature ( http://catholiceducation.org/articles/science/sc0060.html )

Isto foi um balde de água fria para os Darwinistas e foi tratado como tal, com muita irritação e aborrecimento, e correrias e preocupações de uma suposta nova divisão entre a fé e a ciência.

_______

Entretanto nos Estados Unidos, o bioquímico darwinista Catolico Ken Miller (que está aborrecido pelos desenvolvimentos recentes no Vaticano) e o defensor do design inteligente bioquímico Catolico Michael Behe continuam a debater assuntos específicos tais como se o Darwinismo poderia produzir flagelos bacterianos.

E ainda entretanto, agora o Vaticano está vendendo cartões sagrados, em muitas línguas, em carrinhos de souvenirs por toda Roma, registanto uma parcela chave da primeira homilia de Benedito XVI, incluindo a frase: “Nós não somos um produto ocasional e sem sentido da evolução. Cada um de nós é um pensamento de Deus.” As centenas dos milhares dos visitantes levam-nos consigo para os seus destinos por esse mundo fora.


0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução