Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Relatório da NAS defendendo o Darwinismo

A NAS (National Academy of Sciences) publicou recentemente um relatório em que promove o evolucionismo e ataca o Design Inteligente confundindo-o erradamente com o "Criacionismo". Aqui fica uma noticia sobre esse relatório da NAS:

Washington, DC - A "National Academy of Sciences", publicou mais um relatório sobre a evolução, intitulado "Ciência, Evolução, e Criacionismo". No amplo espaço de 89 páginas, a NAS celebra a evolução como um verdade inatacável, dá uma ideia completamente errada do Design Inteligente, e recicla o mesmo padrão de argumentos Darwinistas que já foram refutados várias vezes por cientistas críticos.

A NAS exagera o sucesso da evolução, aclamando-a como "a fundação da biologia moderna". Esta escandalosa afirmação continua a deparar-se com o crescente ceticismo de cientistas de todo o mundo. Mais de 700 cientistas doutorados declararam publicamente seu desacordo mediante a assinatura de uma lista de dissidentes do darwinismo, incluindo o membro da National Academy of Sciences, Phillip Skell.

Em 2005, o Dr. Skell escreveu num artigo publicado na The Scientist que "a alegação de que a [evolução darwinista] é a pedra angular da biologia moderna experimental confronta-se com o ceticismo calmo de um número crescente de cientistas em domínios onde as teorias realmente servem como pedras angulares para descobertas tangíveis".

Em vez de tratar a teoria evolutiva como um espaço aberto para mais investigação científica, o relatório NAS canoniza a evolução como perfeita e imutável, "tão bem estabelecida que nenhuma nova evidência é susceptível de a alterar."

"Sob a definição deles, uma teoria não é uma área testável da ciência, mas sim um dogma inquestionável", disse Casey Luskin, do programa CSC.

Evidentemente, isso não deveria ser surpresa para ninguém, tendo em conta o preconceito da NAS para com o design inteligente, que desafia a evolução Darwinista em fundamentos científicos. Ao invés de abordar a ciência do DI, o relatório representa incorrectamente a teoria como sendo uma crença religiosa não testável. O relatório ignora aquilo que teóricos do Design realmente dizem, em vez disso ele escolhe citar o acórdão de Kitzmiller, aparentemente confiando num juiz que copiou o ACLU desrespeitando e desconsiderando a liberdade académica dos cientistas que apostaram as suas reputações e carreiras no mérito científico do design inteligente.

No fundo, este relatório faz pouco mais do que revelar uma voz cansada e gasta de um "estabilishment" que não quer realmente enfrentar as alegações científicas ou o pensamento cético de um número crescente de cientistas discordantes.

O Discovery Institute publicou recentemente o seu próprio guia para educadores, "A Teoria do Design Inteligente: Um guia para educadores para os ajudar a compreender o debate entre a evolução Darwinista e o design inteligente". Está disponível abaixo:
• Faça o download de uma versão a cores aqui
• ou da versão a preto e branco aqui


Fonte: Lexis Lexis News, 3 de Janeiro de 2008

0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução