Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
sábado, 7 de junho de 2008

Papagaios no Cretáceo ?

Papagaios fossilizados implicam uma rápida radiação inicial na família de papagaios

Papagaio Verde Green ParrotEmbora os papagaios sejam aves que nos são familiares hoje, eles estão muito pouco representados no registo fóssil. Isto significa que aquilo que se possa pensar sobre eles não estava em grande parte fundamentado em dados. A descoberta de dois fósseis de papagaios do Baixo Eoceno da Dinamarca mudou significativamente esta situação. Os novos fósseis são considerados mais antigos do que o anterior "papagaio mais velho" em cerca de 40 milhões de anos.

Das duas aves fossilizadas, uma é considerada um membro do "grupo do caule" e a outra (Mopsitta tanta) um representante das espécies do "grupo da copa". A implicação é a de que as espécies do caule e de copa co-existiram.

"Mopsitta tanta é, em muitos aspectos, mais semelhante a Psittaciformes recentes do que a qualquer outro Psittaciforme do Paleogeno. Embora não seja absolutamente certo com base em características preservadas (morfologia do úmero não pode ser inteiramente diagnosticada a este nível), é altamente provável que o Mopsitta tanta seja um membro dos Psittacidae, dando assim mais suporte à hipótese de uma radiação de Psittaciformes no inicio do Eoceno (ou anterior); é provável que os Psittaciformes representantes do grupo-da-copa como o Mopsitta, tenham existido no início do Eoceno juntamente com seus homólogos do grupo-do-caule, os Pseudasturidae e os Quercypsittacidae ".


O foco principal deste post é a rapidez da radiação. Apesar de os Darwinistas gostarem de realçar o gradualismo, com um percurso lento ligando as espécies do caule às espécies da copa, aqui podemos encontrá-las juntas quase no início do Terciário (que é o mais cedo que muitos palaeontólogos as colocariam). É outra indicação de que a especiação não é darwiniana, e os mecanismos que explicam as radiações da fauna são actualmente desconhecidos.

Vale a pena revisitar o relatório de 1998 de Thomas Stidham acerca de um maxilar de papagaio do Cretáceo. A descoberta levantou muitas sobrancelhas por corresponder a um período de tempo muito mais cedo do que se pensava os papagaios terem surgido. O consenso parece ser o de que ele foi mal identificado. "Dyke e Mayr (1999) consideraram que as afinidades taxonómicas eram incertas devido à natureza fragmentada do material e à possibilidade de poder pertencer a qualquer número de outros táxons, tais como um dinossauro tetrápode caenagnathid". Embora a cautela se justifique, existe a possibilidade de que os julgamentos tenham sido influenciados pela baixa credibilidade de se encontrar um papagaio no Cretáceo. Com a presença confirmada de papagaios modernos no Baixo Eoceno, a credibilidade deve deixar de ser um problema.



Dois novos papagaios (psittaciformes), do Baixo Eoceno na Formação Fur da Dinamarca
DAVID M. WATERHOUSE, BENT E. K. LINDOW, NIKITA V. ZELENKOV, GARETH J. DYKE.
Palaeontology, 51(3), May 2008, 575-582 | doi:10.1111/j.1475-4983.2008.00777.x

Resumo: Dois novos fósseis de aves psittaciformes do Baixo Eoceno 'Mo Clay "(Fur Formation) da Dinamarca (c. 54 Ma) são descritas. Um espécime sem nome é atribuído à família do extinto grupo-caule de papagaios, Pseudasturidae (género e espécie incertae sedis), enquanto um segundo (Mopsitta Tanta gen. et sp. Nov.) É o maior papagaio fóssil conhecido. Ambos os espécimes são os primeiros registos fósseis destas aves na Dinamarca. Apesar de a posição filogenética do Mopsitta não ser clara (é classificad como família incertae sedis), esta forma está mais perto filogeneticamente a Pstittacidae recentes do que aos demais Palaeogene psittaciformes conhecidos e pode, por conseguinte, representar o grupo-coroa de papagaios mais antigo que se conhece.



A mandíbula inferior de um papagaio do Cretáceo
Thomas A. Stidham
Nature 396, 29-30 (5 de Novembro de 1998) | DOI: 10.1038/23841

Todas as aves fósseis conhecidas do Cretáceo representando táxon moderno superior são dos grupos aquáticos Anseriformes, Gaviiformes, Procellariiformes e Charadriiformes. Aqui eu descrevo uma sínfise (fusão maxilar) dental aviária desprovida de dentes, do final do Cretáceo de Wyoming, Estados Unidos. Esta sínfise parece representar o mais antigo papagaio conhecido e é, tanto quanto eu saiba, o primeiro fóssil conhecido de um grupo de aves modernas 'terrestre' do Cretáceo. A existência deste fóssil suporta a hipótese de que, com base em dados de divergência molecular, a maior parte ou a totalidade dos principais grupos de aves modernas estavam presentes no Cretáceo.

(por David Tyler)

0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução