Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
domingo, 3 de maio de 2009

A Gripe Suína, os Vírus, e os Limites da Evolução

Gripe Suína A ImagemHá alguns anos atrás, os media estavam ao rubro com o susto do vírus da gripe das aves, o que me levou a escrever um post intitulado Gripe das Aves: Um Exemplo de Evolução?. Na época, não era claro se a gripe aviária poderia evoluir e "saltar" para uma forma altamente virulenta que facilmente infectasse os humanos. Tivesse o vírus da gripe aviária feito o "salto" e, em seguida, teríamos assistido a uma espécie de evolução em que os vírus trocam de material genético num processo conhecido como "reassortment" e podem, assim, mais facilmente infectar novos hospedeiros, tais como os seres humanos. Como já expliquei, naquela altura:

Então a nossa luta para combater a gripe das Aves é, sem dúvida, uma luta contra a evolução. A questão é, houve um aumento líquido de informação genética resultante através desta "evolução"? A gripe Aviária é essencialmente a troca de genes - mas os genes provavelmente vieram de outros vírus pré-existentes.

Se você tem lido as notícias ultimamente, você está ciente de que muitos estão hoje preocupados com a ameaça do vírus da gripe suína. Neste caso, nós estamos a olhar precisamente para o mesmo tipo de evolução: Tal como um artigo na Physorg.com explica, este novo vírus tem componentes de aves, suínos e humanos:
Os porcos são cadinhos bem conhecidos para a mistura de vírus, capazes de abrigarem estirpes de gripe que, normalmente, são específicos para suínos, para aves e para seres humanos. Quando presentes no mesmo animal, estes vírus são capazes de trocar genes, à medida que estes são replicados, o que pode resultar numa nova estirpe e em saltar a barreira das espécies para os humanos.

Na melhor das hipóteses, a origem desse novo vírus da gripe suína representa um vírus que é composto de genes pré-existentes que foram trocados para compor uma nova "mistura" no vírus da gripe suína. Isto é, naturalmente, "evolução", quando entendemos evolução como "mudança ao longo do tempo", mas que não envolve a origem dos novos genes.

Depois de toda esta "Evolução", continua a ser um vírus
Em 2007 no seu livro The Edge do Evolution, Michael Behe observou que, após as nossas tentativas para matar bactérias e vírus causadores de doenças, alguns podem evoluir através da selecção darwinista com a finalidade de sonegar o nosso estratégias de combate a doença. No entanto, apesar desta evolução, que se mantêm as bactérias e vírus - com muito pouco líquido mudança. Como Behe escreve:
Na verdade, o trabalho com a a malária e com a SIDA demonstra que, após todos os possíveis processos não inteligentes na célula - tanto aqueles que até agora já descobrimos como os que nós ainda não descobrimos - na melhor das hipóteses, limitaram extremamente o beneficio, uma vez que tais processos não foram capazes de fazer muito de alguma coisa. É importante notar que não foram colocadas limitações artificiais no tipo de mutações ou de processos que os microorganismos podem experimentar na natureza. Nada - nem mutação pontual, delecção, inserção, duplicação génica, transposição, duplicação genómica, auto-organização, nem qualquer outro processo ainda desconhecido - foi de muita utilidade. (Behe, The Edge of Evolution, pg. 162)

Da mesma forma, escreveu em resposta a David Hillis que a evolução de certos vírus influenza implica um grau de evolução trivial:
Para melhor demonstrar a alegada utilidade da evolução, Hillis falou de como mutações numa determinada proteína do vírus influenza lhe permite escapar à detecção pelo nosso sistema imunológico, declarando que "a análise filogenética... é uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento de vacinas contra a gripe todos os anos", e afirmou que "o conhecimento da evolução ajuda a que milhões de vidas humanas sejam salvas todos os anos." Embora não haja dúvida de que a "evolução" da gripe é um verdadeiro fenómeno, temos de colocar as questões cruciais: Qual o grau de evolução disto? E pode este tipo de "evolução" legitimamente ser extrapolada para explicar mudanças evolucionárias em larga escala? Por outras palavras, se formos ensinar alunos sobre este tipo de "evolução", devemos ensinar-lhes que isso implica mudanças macroevolucionárias de grande escala que poderiam explicar a origem de funções biológicas complexas, tais como novos projectos corporais?

A resposta é claramente negativa. A verdade é que as mutações no na molécula hemaglutinina testemunhada pelo Dr. Hills representam mudanças de pequena escala num número limitado de aminoácidos num domínio da proteína que não muda a função do vírus da função para esta proteína (que reside na superfície do vírus e a sua função é a de vincular o vírus da gripe às células infectadas) .3 Nada nos comentários do Dr. Hillis altera o facto de o vírus da gripe continuar a ser um vírus praticamente idêntico após as mudanças microevolucionárias que ele descreve. Vidas podem ser salvas por se estudarem alterações em aminoácidos funcionalmente triviais nesta proteína, mas não é devido ao conhecimento de qualquer tipo de evolução que possa explicar a origem de novas espécies ou de novos projectos corporais.

Uma análise do Testemunho de Especialista do Prof David Hillis Texas antes do Conselho de Estado da Educação em 21 de Janeiro de 2009

Com efeito, assim que o sistema imunológico produz um anticorpo que possa identificar a molécula hemaglutinina num vírus da gripe, esse vírus pode ser efectivamente identificado pelo seu portador. Porque ela é facilmente reconhecida pelo nosso sistema imunológico, há uma tremenda quantidade de pressão de selecção sobre a proteína hemaglutinina que a torna uma enorme fragilidade para o vírus. O jogo do gato e do rato entre os sistemas imunitários adaptativos dos vertebrados principais e as proteínas hemaglutinina virais está em curso há incontáveis gerações. Se os vírus pudessem funcionar sem a proteína hemaglutinina, a evolução já a teria excluído há muito tempo. Há muito, muito tempo. Mas isso não aconteceu. Existem limites para a evolução, e vemos isso nos constrangimentos da evolução viral.

E é bom que hajam limites para a evolução, porque as nossas estratégias de combate à gripe dependem que ela se mantenha um vírus da gripe. Isto permite a aplicação de medidas preventivas que funcionam para serem implementadas, vacinas para serem desenvolvidas utilizando técnicas padrão de cultura do vírus da gripe em ovos e o tratamento de pacientes que sofrem de infecção com drogas como o Tamiflu. Por outras palavras, as mudanças triviais incríveis que o Dr. Hillis estava comentando têm alguma importância, mas é evidente que não são apoiam o argumento que ele estava a construir: Contamos com os limites dos processos evolutivos para combater a gripe, e não na alegada capacidade da evolução biológica para gerar novas funções e características.

A Origem Evolutiva dos Vírus? "Para Sempre Obscura"
A Evolução parece estar fortemente condicionada, no entanto vemos um complexo conjunto de micro-assassinos como os vírus. Antes de mais nada, como é que vírus surgiram? Depois de analisar algumas das ideias especulativas, vagas, e livres de detalhes sobre como os vírus podem ter surgido, um artigo na Scientific American admitiu no ano passado, "No final do dia, contudo, apesar de todos os seus elementos comuns e habilidades únicas para copiarem e espalharem os seus genomas, as origens da maior parte dos vírus podem permanecer para sempre obscura. "

Vamos só esperar que a cura para o vírus da gripe suína seja menos obscura do que a sua derradeira.

(por Casely Luskin)



Nota: A designação gripe suína foi substituída pela designação Gripe A. A influenza A subtipo H1N1, também foi chamada anteriormente de gripe suína, gripe porcina, gripe mexicana, gripe norte-americana, influenza norte-americana ou simplesmente de nova gripe, é uma doença infectocontagiosa causada por uma variante do vírus Influenza A H1N1.


0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução