Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Bactéria adapta-se mil vezes mais depressa

Vejam esta noticia recente:

Escherichia coliBactérias adaptam-se mil vezes mais depressa do que se admitia

As bactérias adaptam-se mil vezes mais rapidamente do que até agora se admitia, uma descoberta de quatro investigadoras portuguesas que poderá ter impacto na saúde pública por medir a capacidade de resistência a tratamentos e antibióticos.
Totalmente financiado e realizado em Portugal, o estudo que será publicado sexta-feira na revista Science utilizou uma técnica para identificar as mutações das bactérias que lhes conferem vantagens em termos da capacidade de resistência, concluindo que estes organismos "têm um potencial adaptativo extraordinariamente elevado". (Ciência Hoje)

Perceberam o interesse que esta noticia traz para os dois posts anteriores a este? Tanto para o exemplo de uma experiência para falsear a hipótese Darwinista sugerida por Behe(ver post anterior a este), como para o objectivo do seu livro de procurar os limites do Darwinismo (2 posts antes deste).

Experiência flagelar para falsear a hipótese Darwinista:
Vejam o que disse Behe:
"Se esse mesmo cientista fosse para o laboratório e eliminasse os genes do flagelo, desenvolvesse a bacteria por um longo periodo..."
Aquele "longo periodo" referido por Behe acabou de ficar 1000 vezes mais curto, depois do trabalho das investigadoras portuguesas.
E as bactérias que foram objecto do trabalho desenvolvido por aquelas investigadoras, as E. Coli, são precisamente bactérias que têm flagelos, flagelos que serviriam perfeitamente para a experiência da evolução do flagelo referida.

Livro de Behe - A Procura Pelos limites do Darwinismo:
Vejam o que Behe havia dito:
"A chave para determinar os poderes reais da evolução Darwinista, diz Behe, encontra-se nos micróbios que se reproduzem rapidamente. Alguns, tais como a malária, o HIV, e o E. coli, reproduzem-se tão rapidamente que dentro de algumas décadas, ou no máximo alguns milénios, eles geram tantas mutações como geraria um animal maior, de reprodução lenta, em milhões de anos. Observando até aonde estas criaturas evoluíram nos últimos tempos, nós podemos estimar os limites criativos das mutações aleatórias."
A E. Coli, referida por Behe, foi precisamente a bactéria trabalhada por aquelas investigadoras portuguesas. Graças a elas, sabemos agora que a procura dos limites do Darwinismo pode ser 1000 vezes mais fácil do que se pensava!

Será que é desta que vamos encontrar finalmente evidências da macroevolução (tão desejada pelos darwinistas), ou será que não vamos continuar apenas com mais microevolução das bactérias (ou seja, nada de novo) ?...

Vamos esperar para ver!...

2 comentários:

  1. Caro Paulo,

    Prazer em conhecer o seu blog. A abordagem é muito interessante e atual. Recentemente a empresa que dirijo fabricou o sistema mecânico de que condicionou as bactérias, levadas pelo astronauta brasileiro Marcos César Pontes a bordo da Estação Espacial Internacional, para contribuir na descoberta acerca da influência da radiação sobre as atividades que ocorrem no interior das células em ambiente de microgravidade. Esse projeto contribui para o esclarecimento da resposta biológica ao nível do DNA em condição de baixa gravidade.
    http://www.aeb.gov.br/missaocentenario/AMissao.php
    Parabens pelo blog. Muito bom mesmo!

    Paulo Silvano

    ResponderExcluir
  2. Muito bom mesmo, nós precisamos de mais websites sobre esse assunto em língua portuguesa.

    Tem como arrumar o artigo original publicado na science sobre esse post? Aparentemente confirma a hipótese levantada pelo biofísico israelense Lee Spetner no livro "Not by Chance".

    PS: Vou adicionar um link pra cá, a partir do meu blog:
    http://crentinho.wordpress.com

    flw, fiquem com Deus.

    ResponderExcluir





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução