Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
domingo, 24 de fevereiro de 2008

Predições falhadas de Darwin, Parte 7

Visões da embriologia em evolução

Fraude dos embriões de HaeckelA PBS refere que Darwin realçou que a embriologia fornecia "o mais forte conjunto de factos a favor da" sua teoria da evolução. Mas Darwin escreveu essas palavras nos anos de 1860, e os biólogos do desenvolvimento aprenderam muito desde essa altura. De facto, Darwin apostou grande parte do suporte das evidências no trabalho do século 19 do embriologista Ernst Haeckel. Depois de Darwin, descobriu-se que Haeckel tinha promovido dados fraudulentos para, de uma forma falsa, apoiar a ascendência comum dos vertebrados ao exagerar as semelhanças entre os embriões dos vertebrados nos seus primeiros estágios de desenvolvimento.

Os infames desenhos de embriões de Haeckel obscureceram as diferenças entre os embriões nas suas fases iniciais, levando à convicção generalizada na falsa ideia de que a "ontogenia recapitula a filogenia" (isto é, o desenvolvimento retrata a história evolutiva). Os dados factuais revelam que os embriões dos vertebrados desenvolvem-se de forma muito diferente nas suas fases iniciais num padrão que não seria esperado se todos os vertebrados partilhassem um ancestral comum. O próprio Darwin foi vítima da fraude de Haeckel, e tivesse Darwin conhecido a verdade, e talvez ele nunca tivesse feito a declaração que a PBS cita acima.

Mas há ainda razões mais fortes para perceber que a biologia do desenvolvimento moderna desafia Darwin.

Os Biólogos descobriram, tal como a PBS coloca, que os "micróbios e o homem… partilham um 'kit' comum dos chamados genes fundamentais". A PBS alega que isto apoia a evolução de Darwin, porque os grupos de animais vivos herdaram esses genes de um ancestral comum. Enquanto o design inteligente é seguramente compatível com a ascendência comum, a PBS ignora a possibilidade de esses recorrentes programas fundamentais genéticos presentes em várias espécies também poderem ser explicados como resultantes de um design comum, ou seja, a re-utilização de programas genéticos que preencham os requisitos funcionais do desenvolvimento animal. Na verdade, o design comum pode ser a melhor explicação para os muitos casos em que estes genes fundamentais controlam o crescimento de partes do corpo análogas numa grande diversidade de organismos em que nem se imaginaria que o ancestral comum tivesse a parte do corpo em questão.

Por exemplo, vertebrados, ouriços do mar, insectos e vários outros grupos de invertebrados aplicam os mesmos genes reguladores para controlar o crescimento dos seus tipos de membros tão diferentes, mas ninguém pensa que o seu ancestral comum tinha um membro comum. Do mesmo modo, vertebrados, insectos, e medusas usam genes fundamentais de controlo similares para controlar o desenvolvimento dos seus olhos tão diferentes, mas ninguém crê que o seu alegado ancestral comum tivesse tido um tipo de olho comum a todos eles. Nestes casos, NÃO se espera que os grupos de animais vivos tenham herdado os seus "kits" genéticos de um ancestral comum, porque não há razão para se acreditar que o ancestral comum estivesse usando esse "kit" genético para alguma parte do corpo comum. Conforme escreve Wolf-Ekkehard Lönnig, geneticista de plantas no Instituto Max Planck para a Genética: "Nenhum teórico em biologia evolutiva jamais vai derivar galinhas e insectos de um ancestral alado comum, e, no entanto, sequências claramente relacionadas estão especificamente expressas nos botões embrionários das asas e nos discos imaginais. "1

Os darwinistas tentam resolver tais dilemas apelando aos extremos exemplos de evolução genética convergente, o que se poderia designar como predestinação genética. Mas tais exemplos de extrema convergência levam ao extremo a credulidade dos mecanismos de Darwin. Pode a selecção natural cega e não direccionada levar muitos grupos de animais a destacar precisamente os mesmos kits genéticos de desenvolvimento? Parece improvável que tal nível elevado de similaridade genética possa ter evoluído inúmeras vezes na história da vida de forma independente.

Referência Citada:
1. Wolf-Ekkehard Lönnig, "Dynamic genomes, morphological stasis, and the origin of irreducible complexity," in Dynamical Genetics pages. 101-119 (Valerio Parisi, Valeria De Fonzo, and Filippo Aluffi-Pentini eds., 2004) (quoting Cohn M.J., and Tickle, C. 1996, Trends Genet. 12, 253-257).


[Nota do Editor: Este é o slide 7 de uma série de 14 slides disponiveis em JudgingPBS.com, um novo site que mostra as "Predições de Darwin que falharam", em resposta ao material online do documentário da PBS-NOVA chamado "Dia do Juízo: Design Inteligente no banco dos réus"]

(por Casey Luskin)

0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução