Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
domingo, 6 de dezembro de 2009

Revista World distingue Stephen Meyer

Stephen Meyer já viu o seu livro Signature in The Cell ficar entre os primeiros, bestseller do Amazon nos livros de ciência, e considerado um dos melhores livros de 2009 pelo Times Literary Supplement, mas as últimas notícias vão muito além disso: Stephen Meyer foi nomeado "Daniel of the Year"para 2009 pela World Magazine:

Este Outono Meyer publicou um relato completo daquilo que a ciência aprendeu nas últimas décadas: Signature in the Cell: DNA and the Evidence for Intelligent Design (Harper One, 2009) mostra que a célula é incrivelmente complexa e o código que dirige as suas funções é maravilhosamente projectado. O seu argumento deita por terra a macroevolução, a teoria de que um tipo de animal ao longo do tempo evolui para um tipo muito diferente. Meyer regista o desprezo dos media nesta ano da grande celebração dos 200 anos do nascimento de Charles Darwin e 150 anos da publicação do "A Origem das Espécies".

A reportagem de capa é o que devia tornar-se o perfil essencial de Meyer, seguindo o que Marvin Olasky da World descreve como "o padrão de quatro fases, que é comum entre os intelectuais 'Daniel': Questionar, discernimento, coragem e perseverança".
Meyer diz, "Você pergunta como alguém arranja a audácia de se meter em algo como isto. Parte da resposta é que eu não conhecia nada melhor quando era mais jovem. Eu estava tão absorvido com esta ideia e com estas perguntas: "Seria possível desenvolver um argumento científico? Estávamos a olhar para evidências que pudessem reavivar e reanimar o argumento clássico do design, que tinha sido percebido desde a época de Hume e, certamente, do tempo de Darwin para ser extinto? Se fosse esse o caso, era uma grande revolução científica".

A coragem torna-se um factor determinante, uma vez que percebamos o custo e vejamos como ele é grande. A primeira suspeita de Meyer surgiu quando "falei sobre as minhas ideias com algumas pessoas nas preparações do Cambridge High table, e obtive aquele incentivo social". Mas o custo foi e é mais do que a facilidade de conversação: a San Francisco State University em 1992 expulsou um professor, Dean Kenyon, que adoptou o Design inteligente, e outras perdas de emprego surgiram desde então. Meyer e outros defensores do Design Inteligente perceberam "que isto iria ser muito controverso. Uma das coisas que nos encorajou a todos que estávamos nos primeiros dias deste movimento foi conhecermo-nos uns aos outros. Em 1993 tivemos uma pequena conferência um pouco privada [com] 10 ou 12 jovens cientistas muito fortes atravessando programas top-of-the-world em seus respectivos campos que eram todos cépticos. Acho que o congelamento deste grupo deu a todos a sensação de que esta ia ser uma aventura emocionante: Vamos à luta!".

Sim, à luta - Meyer, acaba de regressar de uma instrução a Michael Shermer (ouça o áudio aqui).

O artigo, como o título indica, é um perfil de coragem que vale a pena ler, especialmente esta parte:
Muitas pessoas que entram no palco da coragem pensam que a guerra na qual eles se encontram vai acabar em poucos anos. Mas, chega um momento na vida de muita gente que se percebe uma dura realidade: Não vai acabar durante a minha vida. É aí que alguns desistem, enquanto outros prosseguem para o palco da perseverança. É onde Meyer está: o Signature in the Cell acaba com uma longa lista de previsões testáveis sobre o caminho que a ciência irá tomar ao longo das décadas seguintes. Meyer acredita que um estudo mais aprofundado irá revelar a importância de "DNA lixo" e os motivos para o que parecem ser estruturas "mal projectadas": irá revelar uma lógica funcional escondida ou a evidência da decadência a partir de projectos bons originais.

Leia o artigo completo aqui.

(por Anika Smith )


Comprar o livro?

      
Ao comprar o Signature in the Cell...


0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução