Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
domingo, 13 de janeiro de 2008

A Explosão de Avalon - mais um enigma

Ediacarano biotaContrariamente aos equívocos populares, a história da vida não mostra nenhuma marcha constante de progresso darwinista (às vezes chamada lei do mais forte/adaptado). Em vez disso, mostra:

- primeiro, a origem de formas de vida unicelulares, o que ocorreu muito cedo na história do nosso planeta (3,5 mil milhões de anos atrás).

- longos períodos de estase, durante o qual a vida sofreu algumas mudanças. Por exemplo, o período entre a origem das formas de vida simples (como as cianobactérias) e as formas de vida mais complexas parece ter durado cerca de 3 bilhões de anos (!). A vida complexa na Terra tem apenas cerca de 600 milhões de anos de idade.

- "explosões" súbitas de novos planos corporais ou capacidades, envolvendo imensos multiorgãos, mudanças multisistêmicas, o que resulta em muitos novos tipos de formas de vida. Muita gente já ouviu falar da explosão cambriana, discutida em alguns detalhes no "The Design of Life", durante a qual

a grande maioria dos filos de animais conhecidos (mais de 95 por cento) apareceu dentro de um intervalo de tempo geológico extremamente curto, durando (de acordo com as estimativas actuais), um máximo de 5 a 10 milhões de anos. De aí em diante, para além de algumas excepções, novos filos animais deixaram de aparecer em todo o registro geológico. (P. 63)

- extinções em massa. Os trilobitas - eram tão numerosos, que são o fóssil característico do período Cambriano (cerca de 524 milhões de anos atrás) - foram extintos, juntamente com cerca de 90% das espécies da Terra, na extinção em massa do Permiano. Os trilobitas outrora dominantes são encontrados pela última vez no registo de 251 milhões de anos atrás. O seu parente mais próximo vivo é o caranguejo ferradura (que na verdade não é realmente um caranguejo).

Porque é que a explosão do Ediacarano é um enigma?

Antes do Cambriano, houve uma outra explosão muito menos conhecida, a do Ediacarano (575 milhões de anos a 542 milhões de anos). Em geral,
As formas de vida do Ediacarano são substancialmente diferentes das do Cambriano (ver figura 3.6). Muitos delas são tão estranhas que não está claro se elas podem ser adequadamente consideradas animais. Os fósseis do Ediacarano consistem em organismos similares a discos e limbos (folhas). Alguns paleontólogos pensam que estão mais perto de líquenes do que de animais. (P. 65, "The Design of Life")
Explosão de Avalon
Uma vez que as criaturas do Ediacarano são tão pouco conhecidas, o significado do seu aparecimento e desaparecimento súbitos é frequentemente esquecido: Muitos cientistas tinham a esperança de encontrar uma transição suave e ordenada desde as primeiras cianobactérias até às criaturas do Cambriano, precisamente o tipo de transição que a teoria da evolução de Darwin prediz. Mas as criaturas do Ediacarano não só não contribuem para aquela teoria, elas são também, na verdade, um grande revés. Toda uma fauna complexa veio à existência bastante de repente (em termos de tempo geológico), e da mesma forma súbita desapareceu. Pior, os Ediacaranos NÃO são ancestrais dos Cambrianos.

Estes estranhos e maravilhosos Ediacaranos estiveram nas notícias recentemente. Eles foram chamados de "explosão de Avalon", depois de a península de Mistaken Point, no Canadá, na província de Newfoundland, ter revelado um rico tesouro destes fósseis do Ediacarano.

fósseis Mawsonites sp, Charnia, Dickinsonia sp
Os investigadores Bing Shen, Lin Dong, Shuhai Xiao, e Michal Kowalewski analisaram os fósseis do Ediacarano e descobriram ainda um outro facto notável. Eles tinham começado com um pressuposto convencional, que Charles Darwin teria certamente aplaudido, de que os primeiros (mais antigos) fósseis do Ediacarano, do grupo Avalon, seriam mais simples e menos diversificados do que os outros mais recentes, os dos grupos White Sea e Nama. (Estes grupos de fósseis são nomeadas segundo as áreas onde foram encontrados)

Mas a hipótese dos investigadores acabou por revelar-se um engano. Como relatado no Science Daily News,
Tribrachidium spSurpreendentemente, porém, conforme demonstrado por Shen e seus colegas, estas primeiras formas de vida do Ediacarano já ocupavam uma completa gama morfológica de planos corporais que nunca iria ser ultrapassada ao longo de toda a história dos organismos do Ediacarana. "Por outras palavras, os principais tipos de organismos Ediacaranos apareceram no inicio da sua história, durante a explosão de Avalon", disse Dong. "Depois, os organismos Ediacaranos diversificaram-se no tempo White Sea e, em seguida, diminuíram no tempo Nama. Mas, apesar deste notável aumentar e diminuir no número de espécies, a variedade morfológica dos organismos de Avalon nunca foi ultrapassada através da história do Ediacarano subseqüente".

Em outras palavras, nenhuma evolução darwiniana ocorreu. Para crédito deles, os investigadores salientaram o problema, em vez de evitar falar dele:
"O padrão evolucionista explosivo era uma preocupação de Charles Darwin, uma vez que ele esperava que a evolução acontecesse a um ritmo lento e constante", disse Shuhai Xiao, professor associado de geobiologia em Virginia Tech. "A percepção de Darwin poderia ser representada por um cone invertido com expansões morfológicas constantes, mas o registo fóssil da explosão cambriana e daí em diante é melhor representada por um cilindro de irradiação morfológica na base e constrangimentos morfológicos posteriores."

Darwin supôs que deveria haver períodos longos e escondidos antes da explosão cambriana, disse Xiao.

Mas os paleontólogos não encontraram tais evidências, e recentemente os cientistas aprenderam que a evolução biológica não se tem movido por uma estrada suave e linear.

Na realidade, é pior do que isso. Não houve nenhuma estrada entre Avalon e Cambria. A coisa mais notável na vida de Avalon é que ela lançou o seu estranho material de tempos a tempos e depois, tanto quanto sabemos, simplesmente desapareceu, como fizeram os trilobitas e os dinossauros.

Está a tornar-se cada vez mais evidente que uma teoria da evolução séria deve levar em conta a entrada massiva de informação complexa nas formas de vida em épocas e lugares específicos - devido a causas que ainda não sabemos.

Ver também "The Avalon explosion of Ediacaran morphospace" segundo a visão do físico britânico David Tyler, com diagramas a acompanhar. Aqui está a citação original do documento e resumo:
The Avalon Explosion: Evolution of Ediacara Morphospace Bing Shen, Lin Dong, Shuhai Xiao, Michal Kowalewski Science 319, 4 de Janeiro de 2008: 81-84. Resumo: os fósseis do Ediacarano[575 a 542 milhões de anos (Ma)] representam as mais antigas formas de vida macroscópica complexa da Terra, mas a sua história morfológica é pouco compreendida. Uma abrangente análise quantitativa desses fósseis indica que a colecção mais antiga do Ediacarano - a colecção do Avalon (575 a 565 Ma) - já abrangia toda a gama morfoespacial de todo o Ediacarano. Uma gama morfoespacial comparável foi ocupada pelas colecções subsequentes White Sea (560 a 550 Ma) e Nama (550 a 542 Ma), embora tenha sido preenchido com populações de forma diferente. Em contrapartida, a riqueza taxonômica aumentou na colecção de White Sea e desceu na colecção do Nama. Estas mudanças de diversidade, que ocorrem enquanto o campo morfoespacial permaneceu relativamente constante, conduziu a mudanças de inversão nas variações morfológicas. A expansão morfoespacial de Avalon espelha a explosão cambriana, e ambos os eventos podem refletir mecanismos similares subjacentes.

(Texto a azul, de O'Leary)

P.S. - Ver também o post "Animais aparecem subitamente... e depois nada mais acontece... Porquê?"

0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução