Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
sexta-feira, 23 de maio de 2008

Evolução reversa? Ou um bom Design Inicial?

Esganagata Gasterosteus aculeatus threespine sticklebackOs criadores de animais do século XX, como os irmãos Heck, tentaram recriar espécies extintas através do processo de backbreeding (processo oposto ao crossbreeding - cruzamento com obtenção de híbridos) . No decorrer do processo eles criaram raças anteriores duvidosas como aconteceu com a reconstituição que fizeram dos Tarpan. Mas a esperança de recriar espécies extintas permanece.

Por exemplo, David Haussler, professor de engenharia biomolecular da Universidade da Califórnia Santa Cruz, tenta recriar um caminho evolutivo de volta a um ancestral comum através de um programa de computador. Ele analisa as sequências genéticas dos mamíferos, à procura de porções do genoma que sejam idênticas. Assume que as porções do genoma inalteradas vieram até nós através do ancestral comum a todos os mamíferos. [Ver post anterior]

Mas, muito melhor que simulações humanas de computador, é o facto de algumas formas vida aparentemente poderem reverter a sua própria evolução. Mas afinal o que é isso de reverterem a evolução?

Evolução reversa de bactérias?

Recentemente, Daniel Falush e sua equipa na University College Cork, na Irlanda, relataram que duas espécies de bactérias que causam intoxicação alimentar, a Campylobacter coli e a C. jejuni, aparentemente, estão convergindo através do intercâmbio de seus genes. O nível de diferenças do genoma sugere que elas estão separadas por cerca de 100 milhões de anos, mas pensa-se que elas estão a combinar-se num ritmo quatro vezes superior. Um problema, porém, é que - como os próprios investigadores salientam em seu resumo - os limites das espécies bacterianas "permanecem controversos". As definições convencionais de espécie assumem uma relação ancestral-descendente, mas bactérias podem trocar os seus genes, tal como estes dois grupos de bactérias estão a fazer. Portanto, só o modo de determinar como é que as bactérias são espécies separadas já não é assim tão linear. Além disso, o que deve ainda ser determinado, tal como outros pesquisadores observaram, é se as bactérias que convergirem vão ser melhores
a provocar a intoxicação alimentar do que as suas antecessoras.

Retraçando o espinhoso Esganagata

O mais notável exemplo de aparente evolução reversa é um pequeno peixe em Washington, nos E.U.A. O Esganagata (Gasterosteus aculeatus) tem três espinhos no seu dorso. Mas à medida que o Lago Washington de Seattle foi-se tornando altamente poluído ao longo dos anos, a população da truta predatória mal podia ver os Esganagatas. Muitos Esganagatas conseguíam escapar à truta mesmo com um dorso pouco espinhoso.

No entanto, quando o lago foi limpo durante meados do século XX, a truta passou a ver melhor. A armadura corporal do Esganagata desenvolveu-se uma vez mais o que o tornou novamente desagradável para as trutas. Ele recorreu ao código genético para recuperar traços de sobrevivência num nicho genético em mudança.

O motivo da mudança é relativamente fácil de compreender. Os Esganagatas mais saborosos eram os que tinham o menor número de espinhos, e eles foram comidos assim que as trutas os passaram a avistar. É claro, que isso deixou os Esganagatas mais espinhosos, que continuaram a existir em muito menor número, para se reproduzirem. Portanto, agora, a população do lago reverteu para a o design espinhoso dos seus antepassados de água salgada.

O programa de rearmamento do peixe, uma forma de evolução reversa, criou celeuma entre os investigadores no Fred Hutchinson Cancer Research Center que esperam que possa ter implicações relevantes para o estudo da doença nos seres humanos. O estudo, "Evolução Reversa" Rápida e Dramática Documentada em Pequenas Espécies de Peixes, foi publicada em 20 de Maio de 2008, artigo da Current Biology.

Um desafio à teoria darwinista?

Catherine Peishal da Hutchinson Cancer Center Lab diz que as descobertas "estabeleceram o Esganagata como um novo modelo para o estudo das características genéticas complexas". Ela acrescenta que "ter uma grande variação genética numa população significa que se o meio ambiente mudar pode haver alguma variante de gene com melhor desempenho que o anterior, e assim a natureza o selecciona. A variação genética aumenta as chances de sobrevivência global de um espécie ", diz ela.

Peishal ainda sugere que a reversão do Esganagata desafia directamente uma explicação de especiação rápida: plasticidade fenotípica.

De acordo com esta explicação, o ambiente pode levar um animal a expressar um gene existente de forma diferente. Depois de várias gerações, podem ocorrer variações genéticas suficientes para que os descendentes do animal evoluam para uma espécie diferente. O Meio Ambiente desempenha um papel fundamental em despoletar adaptações de curto prazo embora as alterações genéticas sejam mais morosas.

Mas, segundo a equipa de Peishal, isso não aconteceu ao Esganagata, cujo registo temos desde há algumas décadas. A diversidade genética existente entre os Esganagatas do Lago Washington de Seattle desempenhou um papel maior do que causou o meio ambiente no que diz respeito a rápidas mudanças físicas. O Esganagata reverteu para a armadura completa, uma adaptação que ainda estava presente em seus genes e que foi uma vez mais favorecida pelas circunstâncias.

Por outras palavras, as características mais espinhosas do Esganagata não "evoluíram". Maior número de Esganagatas eclodiram com aquela característica que já se encontrava disponível anteriormente.

Não é surpresa para os proponentes do DI

Pois bem, a "evolução reversa" do Esganagata não deveria surpresa para grande parte dos leitores deste blog. Nós explorámos a diversidade genética entre bovinos, caninos, e equinos, e o que é que temos encontrado? Tal como o Esganagata, estas espécies mantêm um nível de diversidade genética durante um longo período de tempo que lhes permite adaptar a nichos diversos, inesperados, ou até mesmo hostis.

Muitas vezes, animais como o Cavalo Canadiano e o Cão da Carolina recuperam e baseiam-se em traços latentes para se adaptar. É o sopro do código genético, e não especialização genética ou o desenvolvimento de novos traços, que ajuda os seres vivos a sobreviverem a mudanças ecológicas. E, como vimos, mesmo após milénios de separação, o bisonte e Bisonte-europeu parecem ser capazes de se reproduzirem, o que sugere que espécies bem sucedidas não perdem facilmente características ancestrais.

Muitas espécies bem sucedidas possuem um património genético diversificado que lhes permite adaptar ao longo de poucas gerações a um ambiente em mudança. Longe de evoluírem rapidamente novos traços, os seus códigos genéticos conservam traços que parecem inúteis. Mas quando as circunstâncias mudam, essa "bagagem genética" muitas vezes se revela ajudando na sobrevivência. Será que essa bagagem genética é uma parte do seu design?

(por Jane Harris Zsovan)


P.S. - Ver também o post "De onde vêm tantas RAÇAS de CÃES ??!"

0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução