Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
quinta-feira, 21 de maio de 2009

IDA: O Santo Graal dos elos perdidos?

ALERTA DE PROMOÇÃO SENSACIONALISTA

IDA - Darwinius masillaeNum exemplo estelar de colocação do vestido de gala evolucionário, o dia de ontem assistiu ao lançamento no Museu de História Natural em Nova York do último e mais importante fóssil transicional (não são todos eles?) que se diz estar ligado ao homem. "IDA", um primata fóssil alegadamente com 47 milhões de anos encontrado na Alemanha, está sendo aclamado como o mais importante elo na evolução humana já descoberto.

Teremos que verificar novamente dentro de alguns anos para ver se ele chama mais atenção do que chamou LUCY na sua recente visita sem brilho em Seattle (bocejo). A exposição do Rei Tut, que abriu no passado mês de Outubro no Museu de Arte de Dallas portou-se muito melhor, com lucro. [1]

Os media e os especialistas evolucionários por todo o mundo parece que fizeram macacos de si mesmos (manchete do Guardian ...) uma vez que literalmente tropeçaram todos uns nos outros com expressões e exclamações extravagantes e ícones sonantes para transmitirem o significado deste achado fóssil. Aqui estão apenas alguns exemplos:

PEDRA DE ROSETA "É realmente uma espécie de Pedra de Roseta", comentou o co-autor do estudo, o Professor Philip Gingerich, do Museu de Paleontologia da Universidade de Michigan. [2]

FÓSSIL PATRIMÓNIO MUNDIAL "Este é o primeiro link para todos os seres humanos ... realmente um fóssil que liga património mundial", cientista de fósseis norueguês de renome mundial, o Dr. Jorn Hurum, Museu de História Natural da Universidade de Oslo . [2] Relatos dos media referem que Horum continuou a enumerar de que forma este fóssil era único ...

O SANTO GRAAL e a ARCA PERDIDA O Dr. Jorn Hurum, o cientista no coração do projecto, fez os paralelos mais exóticos. Ele exibiu fotografias da Mona Lisa e da Pedra de Roseta, sem explicar, embora as implicações sejam evidentes. Ele descreveu de forma variada o fóssil como o Santo Graal da paleontologia e como a Arca Perdida de arqueologia. [4]

O PRIMEIRO LINK NA EVOLUÇÃO HUMANA e a NOSSA MONA LISA "Este é o primeiro elo na evolução humana. Um achado como este é algo para toda a humanidade. Ele conta-nos uma parte da nossa evolução que tem estado oculta até agora ... Esta é a nossa Mona Lisa e vai ser... pelos próximos 100 anos. " - Paleontólogo Jorn Hurum [5]

"O" ELO PERDIDO (e quantas vezes ouvimos esta?) "Esta pequena criatura vai nos mostrar a nossa ligação com todo o resto dos mamíferos. A ligação que teriam dito até agora que estava faltando ... já não está faltando". Radiodifusor e naturalista de renome Sir David Attenborough. [2]

ESTE FÓSSIL MUDA TUDO Nancy Dubuc do History Channel disse que o Ida "prometeu mudar tudo o que pensávamos que compreendíamos sobre a origem da vida humana". A mais sublime imagem foi a de Michael Bloomberg ao lado da caixa de vidro da Ida, o braço sobre os ombros de uma menina da escola que estava vestindo uma camiseta com o logótipo da TV: "O Link. Isto muda tudo". A principal coisa que Bloomberg estava presumivelmente à espera que isto mudasse era a possibilidade de ganhar um inédito terceiro mandato como prefeito de Nova York nas próximas eleições. [4]

Tora Aasland, ministro da educação superior no governo norueguês ... apareceu a pensar que a Ida era uma maravilha da ciência norueguesa em oposição a uma maravilha da evolução pré-histórica. [4]

E, claro, há também a obrigatória (e muito especulativa) história de como a IDA morreu e acabou sendo preservada para que pudéssemos ver e analisá-la 47 milhões de anos mais tarde:

"Os cientistas acreditam que ela foi envolvida por dióxido de carbono, enquanto bebia no lago Messel: as águas tranquilas do lago eram frequentemente cobertas por uma fina manta de gás como resultado das forças vulcânicas que formaram o lago e que ainda estavam activas. Fragilizada pelo seu pulso partido, Ida escorregou para a inconsciência, foi engolida pelo lago, e afundou para o fundo, onde as condições únicas a conservaram por 47 milhões de anos. " [2]

Afinal, será que a IDA realmente faz jus a toda a aclamação? Historicamente, a resposta é um retumbante "Não". Apesar de toda a promoção sensacional e extravagante em torno da IDA, um facto chave permanece esquivo e desconhecido -- que faria da IDA um achado evolucionário verdadeiramente espectacular.

Não se conhecem precursores ou antepassados. Como é o caso da maior parte dos fósseis, não há conhecimento de ancestrais ou precursores directos para a IDA. Que criaturas precederam a sua espécie? Não temos nenhuma pista, apenas especulações. Em que tipo de espécies é que ela evolui depois? Mais uma vez, os especialistas mantêm-se silenciosos - porque não temos evidências fósseis. No entanto, parece que a sua mera existência é suficiente para a qualificar como um "elo perdido", sem uma clara compreensão de quais as criaturas a que ela se liga, de e para. Este é um dos mais consistentes aspectos de persuasão enganadora da evidência fóssil utilizada para promover a evolução. Todos os fósseis são considerados como uma peça do puzzle evolucionário que falta, que nos leva cada vez mais perto de melhor compreender a nossa alegada herança evolutiva, mas que nunca nos leva lá. Mas ALGUM DIA vamos finalmente começar a preencher os espaços vazios, ou pelo menos é o que os especialistas nos dizem.

Entretanto, e até lá, a IDA é apenas mais um exemplo de uma criatura sem um património, não obstante a promoção sensacional dos meios de comunicação sobre o seu significado.

Para se qualificar como um fóssil de "transição", é preciso haver muito mais do que uma espécie prima ao lado de uma outra espécie prima. Tem que haver uma clara ligação evolutiva demonstrando de que criaturas evoluiu a IDA. Mas a distância evolucionária (ou seja, homóloga) entre a Ida e sua suposta "parente" é tão grande que você poderia colocar uma série de exemplos antes e depois dela, e afirmam que eles estão relacionados. Isso não é "evidência" ciêntifica convincente - são apenas especulações e conjecturas.

Está na altura dos evolucionistas começarem a demonstrar o quanto eles realmente não sabem, em vez de apresentarem criaturas futeis como a IDA como um outro grande exemplo de evolução. Ela não é nada disso.

Para além de ficar muito bem nos livros de ciência das nossas crianças, francamente, não existe qualquer evidência que nos leve a acreditar na sua linhagem evolutiva. Como um dos meus colegas já comentaram a "Ida não é o primeiro fóssil a ser sobrevalorizado, e certamente não será o último". Na minha opinião, este é apenas mais um espectáculo oportunistico da publicidade dos media para dar a mais um fóssil um imerecido pilar no panteão evolutivo dos chamados "elos de transição evolutivos". Eu prevejo que não vamos encontrar os antepassados mais próximos da Ida ou os seus descendentes evolutivos. Depois de toda esta promoção sensacional arrefecer, ela vai continuar a ser apenas mais um ramo a tracejado no arbusto conjectural evolutivo para a primatas.

Mas, ei, Warren Beatty parece-se um pouco como eu. Visto que estamos a construir relações evolutivas baseadas nas aparências, acho que ele poderia passar por meu primo à muito perdido? Talvez se nós realizassemos uma conferência de imprensa para mostrar a nossa semelhança poderíamos obter alguma boa publicidade ...


[1] NY Times, March 13, 2009 - "They Didn't Love Lucy" - http://www.nytimes.com/2009/03/19/arts/artsspecial/19bust.html?_r=2&pagewanted=all

[2] Science Daily, May 19, 2009 - http://www.sciencedaily.com/releases/2009/05/090519104643.htm

[4] The Guardian [UK] "To get a glimpse of the Ida fossil, the media make monkeys of themselves" - http://www.guardian.co.uk/science/2009/may/19/ida-fossil-primate-media-us

[5] The Hindu, May 20, 2009 - "Backgrounder to Ida Fossil" http://www.hindu.com/holnus/008200905201041.htm

(por Kevin H. Wirth)


Posts relacionados:




0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução