Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
domingo, 1 de novembro de 2009

Evolução: Uma Teoria A Caminho da Extinção?

Charles DarwinPorque é que neste ano do nascimento de Darwin e da publicação do seu livro "A Origem das Espécies" está o Darwinismo a chegar ao fim? Claro que já deveria ter chegado ao fim há mais de um século atrás, quando as falhas do Darwinismo foram pela primeira vez levadas ao conhecimento da comunidade científica. Mas muitos interesses filosóficos estavam em jogo.

Apresente-se uma razão natural para a origem da vida, como fez Darwin e outros que o seguiram, e as limitações da moralidade desaparecem. Um dos seus muitos seguidores era o humanista Julian Huxley, secretário da Sociedade Zoológica de Londres (1935-42), primeiro director da UNESCO, da United Nations Educational Scientific and Cultural Organization.

Ele expressou os seus sentimentos sobre a evolução e os sentimentos dos seus contemporâneos e sucessores, ao escrever, "O sentido de alívio espiritual que vem de rejeitar a ideia de Deus como um super-humano é enorme." (Ensaios de um Humanista, 1966, p. 223) .

Cada vez que uma objecção era feita à teoria da evolução em termos científicos uma modificação era introduzida. Normalmente, qualquer teoria científica padrão teria sido abandonada após duas ou três acusações legítimas terem sido levantadas. Este não foi, contudo, o que aconteceu com a evolução. A série continua de modificações 'ad hoc' feitas desde que a teoria foi lançada em 1859 até hoje distingue-a de qualquer outra teoria que se diz científica.

Demasiados interesses ideológicos de cientistas e filósofos à procura de uma explicação natural para as origens interferiram com uma abordagem científica objectiva e equilibrada ao Darwinismo. Tal como uma simples mudança na direcção do vento, na batalha de Lepanto, em 1571, trouxe a vitória do cristianismo sobre o Império Otomano, também novos ventos de mudança na forma de dados científicos estão prestes a trazer a derrota aos erros do Darwinismo.

Embora o volume de evidências científicas contra a teoria da evolução se tenha vindo a acumular desde que a teoria de Darwin foi apresentada, a certeza sobre a sua queda surge a partir das descobertas recentes na estratigrafia. Enquanto que no passado, sempre que uma crítica válida era dirigida contra a teoria uma nova modificação 'ad hoc' embora fraca era feita para a contrariar, desta vez não há forma de fuga possível.

A escala do tempo geológico: As raízes sobre as quais o Darwinismo constrói seus raciocínios, foi invalidada. E não se trata apenas de um outro modelo, mas de experiências de laboratório cujos relatórios peer-reviewed foram publicados por academias de ciências. As experiências foram testadas no campo e demonstraram ser verdadeiras em todos os casos.

As rochas sedimentares formadas por sedimentos depositados pelo movimento de correntes de água não levaram milhões de anos para se formarem e os fósseis nelas contidas não têm, portanto, milhões de anos de idade. É a velocidade da corrente que determina o tempo para os estratos se formarem.

A prova empírica de que as rochas podem e efectivamente se formam rapidamente é inatacável. As experiências podem ser observadas e repetidas em qualquer laboratório universitário. Elas mostram que as camadas de rocha não se formam uma sobre a outra em sucessão, mas lateralmente e verticalmente, ao mesmo tempo. Esse fato por si só, falsifica o princípio básico da superposição sobre o qual toda escala do tempo geológico foi construída.

Claro, há críticos, mas invariavelmente eles são os que recorrem a observações 'ad hominem' sobre o investigador. Eles dizem que ele não pode estar certo, porque todos os geólogos aceitam a escala de tempo. Mas isso não é um argumento científico.

Tudo o que os críticos têm que fazer para contestar os resultados experimentais é produzirem uma única experiência demonstrando que em água em movimento as camadas se formam de acordo com o princípio da superposição. Qualquer conhecedor de mecânica tem que admitir que isto é impossível.

A pergunta óbvia é por que razão esta evidência empírica não é ensinada nos nossos centros de educação? A razão é a mesma pela qual as críticas da teoria de Darwin não fazem parte dos programas escolares: elas desafiam as ideologias.
Mas neste caso colocar papel de parede para tapar as rachadelas no estuque não funciona porque elas são fendas enormes, abismos, e não rachadelas. A melhor defesa contra tal evidência é dar-lhe o tratamento do silêncio. Tal método só pode, naturalmente, ser temporário. A verdade acabará por ser conhecida.

Para apressá-la, uma série de conferências está sendo realizada para chamar a atenção de, pelo menos, alguns dos membros da comunidade científica com menos motivações ideológicas, para uma situação que está a retardar o avanço da ciência.

Uma dessas conferências irá ter lugar em Roma, na Universidade de São Pio V, em 9 de Novembro de 2009. Não é cobrado ingresso, mas recomenda-se que os estudantes e outras pessoas interessadas façam a reserva por e-mail para wilderspeter@gmail.com ou para noevolutioninfo@gmail.com

Guy Berthault é um investigador em física fundamental e sedimentologia e um graduado da L'Ecole Polytechnique de Paris. Sua pesquisa foi publicada tanto na Academia de Ciências Francesa como na Russa.

FONTE: CNSNews

9 comentários:

  1. Acho que o autor, talvez até com boa intenção, não compreende exatamente como funciona uma teoria científica. Dai não entende que ela é mutável por natureza. É justamente ai que ela de se diferencia da religião, imutável, inquestionável, arcaica.
    Recomendo a leitura do livro 'O Maior Espetáculo da Terra' para mostrar toda a completude da teoria da evolução, assim como provar que o design inteligente tem muitas falhas fortes.

    ResponderExcluir
  2. A teoria de Darwin não tem nada a ver com medição cronológica e sim evolução, que foi "completada" (completar, adicionar parte que antes não existia e não modificar algo que estava errado) Mendel, e diversos cientistas completaram as ideias de Darwin, e hoje a evolução das espécies e aceita por unanimidade.
    Pesquise um pouco sobre espectrômetros de massa, isótopos radioativos e, claro, um pouco de genética para ver o quão exato foi Darwin. A teoria dele já foi confirmada inúmeras vezes. E ela ainda á válida. Nesse momento você pode estar sofrendo uma mutação. O D.N.A de uma célula sua se replica e erra em uma base nitrogenada. Ops. Isso pode ter desencadeado um câncer, ou outra mutação indesejada. Então você morre e não passa os genes ruins (Se forem carregados ás células que formarão os gametas, caso contrário, você não passa a característica). Mas pode ocorrer uma boa mutação. Quem sabe uma nova enzima produzida em seu estômago, a celulase por exemplo. Ocorre uma seca e a comida acaba. Você, que secreta celulase poderá sobreviver comendo papel, e as outras pessoas morrerão. Você passará seus genes novos para as outras gerações e aí ocorre a evolução.
    Quanto à idade geológica, hoje se usam espectrômetros de massa, aparelhos que calculam quantos isótopos radioativos foram criados em uma amostra. Conhecendo a vida de um átomo radioativo, é possível descobrir, com certa exatidão a idade de uma amostra. Veja:

    http://www.ufrgs.br/geociencias/cporcher/Atividades%20Didaticas_arquivos/Geo02001/Tempo%20Geologico.htm

    De onde retirei este fragmento:
    "Segundo este princípio em qualquer seqüência acamadada a rocha (camada) mais jovem é aquela que se encontra no topo da seqüência. As camadas inferiores são progressivamente mais antigas. Este princípio pode ser utilizado em depósitos sedimentares formados por acresção vertical, mas não naqueles a acresção é lateral (e.g. terraços fluviais). Outro contexto que não permite a aplicação deste princípio é o de camadas deformadas quando a deformação modifica a posição original das camadas. Neste último caso, entretanto, será possível determinar a idade relativa dos estratos caso a deformação não tenha sido muito intensa e ainda sejam reconhecidas feições indicativas da posição relativa de topo-base e de fósseis-índices nas camadas estudadas. O princípio da superposição das camadas é válido para as rochas sedimentares e vulcânicas (basalto) que se formam por agradação vertical de material, mas não pode ser aplicado a rochas intrusivas e deve ser aplicado com cautela às rochas metamórficas."
    Leia o texto inteiro e ganhe mais conhecimento, inclusive veja a datação absoluta, mais atual. Os conceitos antigos na ciência são derrubados sim, isso porque a verdade absoluta é impossível de ser atingida. E o principal. TEORIA DA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES. Leu direitinho? Teoria. Toda teoria é algo que foi apenas parcialmente comprovado. FIM.

    ResponderExcluir
  3. A Teoria da Evolução só se sustenta ainda por causa de ideologias e não de fatos científicos.
    Imagine que para que possa haver evolução é necessário que o macho e a fêmea consigam evoluir da mesma maneira, o que é pela probablidade, praticamente impossível.

    ResponderExcluir
  4. Acho que deviam tentar entender a teoria antes de escrever a matéria. Existe muita coisa envolvida, coisas com grande complexidade que envolvem não somente o fato de terem encontrado fósseis, mas geologia, química, lógica... Coisa que, convenhamos, nenhuma outra teoria para o aparecimento de vida na terra, consegue explicar sem conseguir partir para o absurdo e fantasioso, utópico, mágico e infantil, preguiçoso.

    ResponderExcluir
  5. Caras, examinem a bíblia, a história, a filosofia, a biologia, a matemática, a física, a geográfica, todas as relações. Examinem suas mentes, as correntes, as possibilidades, as probabilidades, os benefícios, as formas, os tons, os sons, o sexo, a falta de nexo, as lógicas, os meios, os fins. Chato ateísmo, sempre medito nele. Entre na loucura, experimente a esquizofrenia. Sua mente é tão evoluída, experimente as entradas e as saídas. Se Deus é real, é mais esperto que você. E isso é mais um teste. Palavras em blogs, apenas bits? Caracteres inteligíveis? Interpretados por uma raça inteligente? Você se enche de revolta, a sua mente não aceita. A teoria que você crê, é muito sólida e muito embasada. Já experimentou não acreditar? Quem sabe por 1 ano, mas tem que ser de verdade. Eu te faço um desafio, se creres em mim por 1 ano, Eu salvo a sua vida. Se não necessitas, não Me atrai. Força à não crer, Eu sei como pensas. Rirei diante da tua face e o seu espanto Me será por prazer. Me adorará, mas Eu desprezarei a tua alma, pois em vida me desprezou.

    ResponderExcluir
  6. se a evolução esta sempre ocorrendo, cade os orgãos nascentes? porque apesar das recobinações genéticas dos seres humanos, não altera em nova informação capaz de gerar algo novo em nós desde que nós nos entendemos por humanos? os darwinista extrapolam até nos argumentários para provar a macroevolução, fazer o que né é uma cosmovisão cheia de tendencia como qualquer outra, e cheia de desejos que seja realmente confirmada, bom para os ingenuos em epistemologia ela é um fato, só porque acharam uns ossos semelhantes aqui e acola, nem sabem o que significam hiatos graves nos fósseis, nem sabem que faltam bilhões espécimes em transição do pré-cambriano ao cambriano, nem sabe.... nem sabem....

    ResponderExcluir
  7. A evolução não passa de utopia. recomendo ver o filme "Criaturas Incríveis" feito por um ex-evolucionista que é professor e cientista.

    ResponderExcluir
  8. Claro, há críticos; mas, invariavelmente, eles são os que recorrem a observações ad hominem sobre o investigador. Eles dizem que o investigador não pode estar certo, porque todos os geólogos aceitam a escala de tempo, como está formulada há muito tempo. Mas isso não é argumento científico. Tudo o que os críticos têm a fazer para contestar os resultados experimentais é produzirem uma única experiência demonstrando que em água em movimento as camadas se formam de acordo com o princípio da superposição. Eles fizeram isso? Claro que não! Qualquer conhecedor de mecânica tem que admitir que isso é simplesmente impossível.

    ResponderExcluir
  9. Claudio Macedo, se você quer TODAS essas respostas, leia "O Maior Espetáculo da Terra: as evidências da evolução".

    Ele te mostra a evolução acontecendo. Se nunca tivesse existido registro fóssil, ainda sim a evolução seria uma ótima teoria científica. Você diz tudo isso simplesmente porque não sabe o que é evolução. Sua críticas são sem fundamento, pois não apresentam nenhum tipo de problema para a evolução. Não existe elo perdido. Leia este livro, e pesquise sobre o experimento de Lenski que prova a evolução em laboratório.

    Tirando isso, te apresento algumas críticas ao que você diz também:

    você acha que todo ser vivo vira fóssil? Você acha que se você enterra seu cachorro num mato qualquer ele virará um fóssil?

    Ainda sobre cães, você acha que todas as raças de cachorro existem desde sempre? E as cores de flores que conseguem-se no laboratório?

    Diga-me também, você acha que superbactérias existiram desde sempre e só agora elas foram nos contaminar?

    Você acha que o HIV existe desde sempre mas só agora foi explodir?

    Se você estudar um pouco de redes de Barabasi, e um pouco mais do que é evolução você vai entender.

    Você, definitivamente, não sabe o que é evolução.

    ResponderExcluir





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução