Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
sexta-feira, 11 de julho de 2008

O enigmático ornitorrinco e seu genoma peculiar

Desde a sua descoberta, o Ornitorrinco é conhecido como "uma das criaturas mais estranhas da natureza, aparentemente montado a partir de peças sobresselentes de outros animais". Esperava-se que a sequenciação do genoma lançasse luz sobre a sua história evolutiva, mas agora que ele foi publicado (em Maio 2008), a imagem não é mais clara. O mosaico de características de repteis, aves e mamíferos, aparentes ao nível macro reflecte-se também no seu código genético.

"Não há nada tão enigmático como um Ornitorrinco", diz Richard Gibbs, que dirige o Centro de Sequenciação do Genoma Humano no Baylor College of Medicine em Houston, Texas. "Você tem estes padrões reptiliários repetidos, e estes genes do leite mais recentemente evoluídos, e evolução independente do veneno. Tudo isso aponta para uma idiossincrasia da evolução".

graphic illustrates the traits that the platypus shares with reptiles, birds, and mammalsEsta imagem da National Geographic "ilustra as características que o Ornitorrinco partilha com os répteis, pássaros e mamíferos"

"Idiossincrasia" significa "peculiar ao indivíduo", "excêntrico". Ainda que este seja um justo resumo da forma peculiar, imprevisível de como se supõe que a transformação evolutiva tenha ocorrido, o princípio subjacente à análise dos genomas é de que o curso da evolução passada pode ser monitorado. Técnicas cladísticas oferecem supostamente a possibilidade de redesenhar a Árvore da Vida. Neste caso, o verdadeiro problema não é a "idiossincrasia da evolução", mas a descoberta de um genoma idiossincrático do Ornitorrinco!

Há várias características genéticas destacadas no relatório da Nature News:
  • O Ornitorrinco tem "genes para a família de proteínas do leite chamadas caseínas, que se juntam em aglomerados que correspondem aos dos humanos."
  • "O Ornitorrinco partilha com outros mamíferos quatro genes associados com a zona pellucida, uma espécie de gel que facilita a fertilização do ovo".
  • Ele "tem genes que correspondem aos genes ZPAX que anteriormente só tinham sido encontrados em aves, anfíbios e peixes. E partilha com a galinha um gene para um tipo de proteína da gema de ovo chamada vitelogenina."
  • "Os Ornitorrincos machos têm esporões nas suas patas que estão carregados com um veneno tão potente que pode matar um cão. Tal como o veneno dos répteis, o veneno dos ornitorrincos é um cocktail de variações de pelo menos três tipos de peptídeo."
  • "[N]enhum dos cromossomas X do Ornitorrinco se assemelha ao cromossoma X do ser humano, do cão ou do rato. [...] Em vez disso, os cromossomas X do Ornitorrinco correspondem melhor ao cromossoma sexual Z das aves".
  • "os microRNAs que regulam a expressão gênica, [revelaram] uma mistura de exemplos répteis e mamíferos". Temos microRNAs que são partilhados com as galinhas e não com mamíferos, bem como uns que são partilhadas com os mamíferos, mas não com as galinhas," diz Hannon."

Apesar das alegações de que os novos dados fornecem mais "elementos para o seu lugar na linha ancestral da evolução animal", a história evolutiva é distintamente confusa. Identificar uma linhagem razoável foi considerado impossível no caso do veneno reptiliário: este é considerado pelos investigadores como tendo uma origem independente. "A semelhança do veneno é um exemplo de evolução convergente entre as dois tetrápodes."


Estas características, e outras, são considerados num artigo no website da Truth in Science aqui. As várias evidências são pesadas e conclui-se que a teoria evolutiva não produz uma história coerente. Na verdade, é muito pior do que isso: o genoma do Ornitorrinco é realmente idiossincrático! O ensaio conclui:

Assim, o Ornitorrinco permanece sem se encaixar no esquema Darwinista. Será ele de uma linhagem Sauropsida que inclui répteis e aves? Será de uma linhagem Sinápsida que supostamente levou ao aparecimento dos mamíferos? Ou derivou ele de forma independente de algum ancestral amniota desconhecido? Ou será que a hipótese darwinista, a análise cladística, ou qualquer outro sistema de classificação para esta questão, são apenas demasiado restritivos? Sem dúvida, há mamíferos com semelhanças com os répteis como existem répteis com semelhanças com os mamíferos. O Ornitorrinco é uma fábula darwinista da qual se deveriam tirar algumas lições. Será um réptil, uma av... é o velho ornitorrinco?



Análise do genoma do Ornitorrinco revela assinaturas únicas de evolução
Wesley C. Warren, et al.
Nature 453, 175-183 (8 maio 2008) | DOI: 10.1038/nature06936

Resumo: Apresentamos um esboço da sequência do genoma do Ornitorrinco, Ornithorhynchus anatinus. Este monotremado exibe uma fascinante combinação de características de répteis e mamíferos. Por exemplo, os ornitorrincos têm um casaco de peles adaptado a um estilo de vida aquático; os ornitorrincos fêmeas lactam, no entanto põem ovos; os machos estão equipados com veneno semelhante ao dos répteis. A análise do primeiro genoma de monotremados alinhou estas características com inovações genéticas. Nós descobrimos que as proteínas do veneno do Ornitorrinco e dos répteis foram desenvolvidas independentemente a partir das mesmas famílias de genes; os genes da proteína do leite estão conservados, apesar dos Ornitorrincos porem ovos; e expansões da família dos genes imunitários estão directamente relacionadas com a biologia do Ornitorrinco. Expansões de famílias de proteínas, de RNA não codificante de proteínas, e de MicroRNA, bem como elementos repetidos, foram identificados. A sequenciação deste genoma oferece agora um recurso valioso para profundas análises comparativas dos mamíferos , assim como para a biologia e conservação dos monotremados.

Veja também:

Brown, S. Top billing for platypus at end of evolution tree, Nature, 453, 7 de Maio de 2008, 138-9 | DOI: 10.1038/453138a

Um esboço da sequência do genoma do Ornitorrinco revela elementos dos répteis e dos mamíferos e fornece mais evidências para o seu lugar no linha ancestral da evolução animal. O Ornitorrinco (Ornithorhynchus anatinus) é endémico da Austrália e uma das criaturas mais estranhas da natureza, aparentemente montado a partir de peças sobresselentes de outros animais. O monotremado semi-aquático é um mamífero venenoso, com bico de pato, que põe ovos, que cuida das suas crias e ocupa um raminho solitário no final de um ramo esparso da árvore evolutiva dos vertebrados. Agora, a estrutura do seu genoma revelou novas pistas sobre a forma como os mamíferos evoluíram.

(por David Tyler)

Pode ver também os posts:


0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução