Home Favoritos Donativos RSS
counter

 
terça-feira, 27 de outubro de 2009

Evolução da "Ida" - Fóssil do Darwinius masillae foi despromovido

O fóssil do Darwinius masillae foi despromovido de estatuto de ancestral
Há alguns meses atrás, a "Ida" estava sentada no topo do mundo. Ela tinha sido louvada como a "oitava maravilha do mundo", cujo impacto "sobre o mundo da paleontologia" seria como "um asteróide caindo na Terra". Caindo, certamente. Em 21 de outubro, a Nature publicou um artigo anunciando que "um fóssil de primata do Egipto com 37 milhões de anos, descrito hoje na revista Nature, empurra um fóssil polêmico alemão conhecido como Ida para fora da linhagem humana". Wired também publicou um artigo, observando que, "longe de dar origem aos ancestrais dos seres humanos, o Darwinius de 47 milhões de anos parece que apenas se extinguiu, sem deixar descendentes", citando ainda um paleontólogo que chamou Ida de "um terceiro primo duplamente removido ... só muito distantemente relacionado a antropóides vivos e fósseis. "

Mas Ida recebeu grandes honras dos principais meios de comunicação, enquanto durou o sensacionalismo. Originalmente:


O famoso editor da BBC Sir David Attenborough envolveu-se, fazendo um
documentário intitulado Uncovering Our Earliest Ancestral: O Link (Descobrindo o
Nosso Primeiro Ancestral: O Elo Perdido), para explicar porque é que Ida é "o
elo que nos conecta diretamente com o resto do reino animal". Co-patrocinado
pela BBC e pelo Canal História, o programa atraiu um público maciço. ...
  • O Good Morning America e o Nightline fizeram a cobertura do fóssil.

  • A National Geographic chamou-lhe a espécie elo-perdido "crítica".

  • A ScienceDaily e um comentarista da revista Discover elogiou a Ida como o nosso "ancestral humano de 47 milhões de anos".

  • A Skynews disse ao público que a prova "desta espécie de transição finalmente confirma a teoria da evolução de Charles Darwin da evolução".

    Com a ajuda do Google, a Ida tornou-se viral: Um dos termos de busca mais usado naquele dia era "encontrado elo perdido". Mesmo o Drudge Report foi influenciado pelo frenesim dos mídia, anunciando a Ida como noticia de cabeçalho.
    (Casey Luskin, "The Big Ida:
    The Rise & Fall of Another Missing Link & Outros Media Hype
    ," Salvo
    10 (Autumn, 2009).)

Levou apenas alguns meses para Ida ir do estatuto de celebridade do "elo perdido" para o estatuto de apenas mais um primata menor extinto. Como a Nature relata agora:

Dentes e ossos do tornozelo do novo especime egípcio mostram que a Ida de 47 milhões de anos-Ida de idade, formalmente chamada de Darwinius masillae, não está na linhagem de símios e macacos (haplorhines), mas pertence aos antepassados (adapiforms) dos lêmures e dos lorinae.

"Ida está tão longe da linhagem humana quanto é possivel estar e ainda assim poder ser considerada um primata", diz Christopher Beard, um paleoantropólogo no Museu Carnegie de História Natural, em Pittsburgh, Pensilvânia, que não esteve envolvido em qualquer equipe de pesquisa.

(Rex Dalton, “Fossil primate challenges Ida's place,” Nature, Vol. 461:1040 (October 21, 2009).)


A boa notícia é que parece que as cabeças frias estão agora a prvalecer em relação a Ida. Wired observa que o relatório atual sobre as divergências em relação à Ida é um progresso, "o tipo de diálogo que faltou na estréia exagerada do Darwinius".

Onde mais assistimos a uma "estréia exagerada" de um fóssil, sem "diálogo"? "Ardi"(Ardipithecus ramidus).

Na verdade, com o seu artigo intitulado "A humanidade tem uma mãe com 4,4 milhões de anos", Wired foi um dos inúmeros meios de comunicação principais que auxiliaram na estréia exagerada de Ardi. Mas a maioria daqueles cúmplices não disse nada sobre a ambiguidade e a falta de concordância em torno do esqueleto reconstruído de Ardi. Parece que também outros elos perdidos estrearam com um monte de sensacionalismo e sem muito diálogo.

Está em curso nos bastidores uma análise ciêntifica recolhida de uma forma calma e cuidadosa, mas muito pouca dissidência científica em relação aos relatos dos mídia está sendo divulgada ao público. Em vez disso, vemos que os meios de comunicação, trabalhando com certas tribos evangelísticas dentro da academia, estão descaradamente usando esses fósseis como oportunidades para impingir Darwin.

Quanto tempo "Ardi" vai manter o seu estatuto de elo perdido favorito?

(por Casey Luskin)

0 comentários:

Postar um comentário





Related Posts with Thumbnails
A origem da vida não é consensual. A evolução dos seres vivos não é consensual. A teoria de Lamarck, a teoria de Darwin, e outras, propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.

Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos. A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.


Este blog trata de Design Inteligente, Darwinismo e Teoria da Evolução